segunda-feira, 26 de junho de 2017

Biografia de Charles-Joseph-Hyacinthe du Houx, Conde e Marquês de Vioménil

n: em 22 de Agosto de 1734, no castelo de Ruppes, nos Vosges (França)
m: em  5 de Março de 1827 em Paris.

Alistou-se no exército francês em 1747, servindo no Regimento de Infantaria do Limousin, a tempo de participar na Guerra da Sucessão da Áustria (1742-1748). Esteve presente na batalha de Lawfeld nesse mesmo ano, vitória do exército francês do marechal de Saxe sobre o exército aliado, austro-britânico, do duque de Cumberland, e no cerco e conquista de Bergen op Zoom no ano seguinte. Durante a Guerra dos Sete Anos (1757-1763) participou ao lado do general François du Chevert (1695-1769), enquanto seu ajudante de campo, nas campanhas de 1757 e 1758 na Alemanha. Em 1768 foi enviado para a Córsega, no comando de uma brigada de infantaria, aquando da tomada de posse da ilha, comprada pela França à República de Génova. Regressando a França em 1769 foi promovido ao posto de brigadeiro em 1770. A partir 1780, com o posto de marechal de campo e enquanto comandante da artilharia, participou na Guerra da Independência dos Estados Unidos, acompanhando o irmão, o barão de Vioménil Antoine Charles de Houx (1728-1792), que tinha sido nomeado 2.º comandante das forças francesas enviadas para a América sob o comando do conde de Rochambeau. A sua acção na captura de Yorktown, que terminou de facto a guerra da independência, valeu-lhe uma pensão de 5.000 francos dada pelo rei. Regressado a França com a força expedicionária em 1783, foi nomeado em Fevereiro de 1789 governador da Martinica, uma pequena ilha produtora de açúcar nas Antilhas. Em fins de 1790 foi mandado regressar a França, devido à sua violenta repressão de levantamentos revolucionários.

Emigrou em 1791, o ano da «emigração militar», e fez as campanhas de 1792 e 1793 no Exército de Condé, uma pequena força militar formada pelos emigrados franceses na Alemanha. Em Agosto 1794 organizou um regimento para serviço da Grã-Bretanha, com a sua denominação, mas o regimento não conseguiu recrutar mais do que 266 homens e em Outubro de 1795 foi licenciado. Regressado ao Exército de Condé, ou dos Príncipes, recebeu o comando de uma brigada de cavalaria em 1796. Em 1798, já ao serviço da Rússia, governada pelo czar Paulo I, é promovido a tenente general e a general de cavalaria sendo nomeado comandante do exército russo na Samogitia, a região ocidental da Lituânia, anexada pela Rússia em 1795, devido à terceira partilha da Polónia. Mais tarde, foi nomeado comandante das tropas russas a enviar para a Itália, e que finalmente serão comandadas pelo marechal Souvorov. Em seguida, é enviado com 17.000 soldados russos para as ilhas inglesas de Jersey e Guernsey. Quando estas tropas regressaram à Rússia, Vioménil não as seguiu e veio a Portugal. Tendo regressado à Grã-Bretanha foi chamado de volta em Setembro de 1801, por solicitação de D. Rodrigo de Sousa Coutinho, porque o governo já nessa altura tinha sérias dúvidas sobre as capacidade de comando do marechal do Exército conde de Goltz. 

Foi nomeado Marechal do Exército em 2 de Novembro de 1801, sendo acompanhado por um pequeno grupo de oficiais emigrados, admitidos ao serviço dois dias depois. Participou no Conselho Militar nomeado em 1 de Dezembro seguinte, para preparar as reformas necessárias ao exército, apoiando as propostas do general Forbes, sobretudo a que propunha a criação de um colégio para educação dos futuros oficiais de artilharia e engenharia - o futuro Colégio Militar. Voltou à Grã-Bretanha rapidamente, por motivo da exigência do embaixador francês em Lisboa, o general, e futuro marechal do Império, Lannes que exigiu em 1802 que ele fosse preso, com todo o seu estado-maior. Em Junho de 1802 já se encontrava ausente, de licença primeiro e com autorização depois.

Acompanhou Luís XVIII aquando da Restauração, tendo sido promovido a tenente general do exército francês e nomeado Par do Reino em 4 de Junho de 1814. Acompanhou o rei quando este foi para Gand, durante o governo napoleónico dos Cem Dias. Novamente em França, com a 2.ª Restauração, foi nomeado comandante da divisão militar sedeada em Bordéus, tendo sido transferido para a divisão militar da Bretanha em 1816. Promovido a Marechal de França em 3 de Julho desse mesmo ano, recebeu o título de Marquês em Agosto de 1817 sendo feito cavaleiro da Ordem do Santo Espírito em 1820.

Biografia retirada daqui

Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...